kitschnet - mini-pratos ao balcão: 10.12


26.10.12

Picasso
O coração na boca, o olho no cu.

posted by pimpinelle
25.10.12

«Armário de especiarias e ervas aromáticas»
Cerefólio manjerona
malagueta benjoim
noz-moscada cardamomo
salsa sândalo alecrim


erva-doce piripiri
cravinho canela em pau
gengibre menta tomilho
pimpinela colorau


mostarda pó de chili
salva cominhos pimenta
basílico salsifri


zimbro funcho açafrão
orégãos coentros caril
azedas louro estragão



Jorge Sousa Braga, O Segredo da Púrpura (1991)


posted by pimpinelle

Custo de vida
« – Para o funeral do meu pai, foi tudo em grande. Caixão de pau-santo, flores e mais flores, palmas, coroas, só visto. Tudo em estilo. 
– Ah, eu não acredito em funerais grandes. Eles não vêem, não sentem, isso só é importante para si. 
– Ah, mas para ele tinha de ser. Tudo do melhor. 
– Eu cá acho que a minha querida devia ser cremada. 
– Eu quero lá isso, que horror! Eu vou para o jazigo, para o pé da minha família. Não vou lá muitas vezes, é certo, mas eles estão lá todos. Ou se calhar compro outro. 
– Pois, agora estão baratos. 
– Mas tem de ser central. 
– Como assim? 
– No meio do cemitério, não é um jazigo lá para as pontas. 
– Por falar em cremação, há uns tempos, num avião, um bombista levou explosivos numa urna, para não serem detectados, e aquilo explodiu. 
– Ah… não sabia. 
– E esta passou-se comigo: na capela do aeroporto, que eles lá têm sempre uma capela, tinha acabado de sair quando ouvi uma explosão atrás de mim, com vidros partidos e tudo. Foi os gases de uma urna. Um cheirete que não se podia. Vidros e tudo. 
 – É, às vezes acontecem coisas esquisitas. Como aviões a desaparecerem nas ilhas das termudas.» 

Esta coisa esquisita passou-se há meia hora, no café, a dois metros da minha canja. De caixão à cova.

posted by pimpinelle

Haiku
Os homens carregam a criança. 
O pássaro canta. 
O dia passa.

posted by pimpinelle
19.10.12

«Antilamentation», Dorianne Laux

posted by pimpinelle

Coisas bonitas
As linhas invisíveis.

posted by pimpinelle
16.10.12

O coitado
Sempre debaixo do acontecimento.

posted by pimpinelle
8.10.12

Avelã e grão-de-bico
Até Deus fica sem imaginação, às vezes.

posted by pimpinelle
4.10.12

A Bíblia,
esse Livro da Selva.

posted by pimpinelle
3.10.12

A tímida
Tirou um auto-retráctil.

posted by pimpinelle
2.10.12

Autobiografia
Uma mulher tão coberta de razão que mal consegue respirar.

posted by pimpinelle
1.10.12

Estamos rrricos!
O rico não tem tudo, longe disso.* Inclusivamente, não tem o prazer de exclamar «estou rico!» quando recebe uma soma avultada.


*Já dizia Millôr: «Triste é a angústia do pobre, que nunca teve nada. Mas e a angústia do rico, que sabe que não adianta ter tudo?» E é assim, mil vidas depois, que se acorda um blogue do coma mais ou menos profundo**.Por pura preguiça de criar um novo.

**O coma do filósofo é sempre profundo. (Outra, pimba!)

posted by pimpinelle